Resenha: Simplesmente o Paraíso - Quarteto Smythe-Smith #1 Resenha: Uma Lição de Vida Resenha: Era uma Vez no Outono Resenha: Secrets and Lies
2

Manual de Animes: Soul Eater



Autor: Atsushi Okubo
Direção: Takuya Igarashi
Ano Mangá: 2003
Ano Anime: 2008
Episódios: 51
Sinopse: O anime conta a história de uma escola fictícia chamada Shibusen, localizada no estado americano de Nevada, criada para eliminar os Ovos de Kishins, que são seres que devoram a alma de humanos para se tornarem mais poderosos, e as bruxas que vivem aterrorizando o mundo. Os encarregados de eliminar esses seres são os artesãos, que além de eliminar os Kishins, devem ajudar suas armas a se tornarem Death Scythes (armas da morte), para o Shinigami-Sama (Diretor e criador da Shibusen) usar como sua própria arma. Os artesãos devem fazer suas armas devorarem 99 Ovos de Kishin e uma alma de bruxa para serem Death Schythes.

Comecei a assistir Soul Eater por puro acaso. O anime nem estava na minha lista, quando me ofereceram os 51 episódios já baixados. Como eu estava sem anime para ver, e ainda teria que fazer o download dos que estavam na minha lista, resolvi dar uma chance para Soul Eater, que já chama muito atenção pela abertura elétrica e chicletinha. A história do anime diverge da história do mangá, que ainda teve continuidade além do desfecho proposto na versão animada.

A trama gira em torno da escola de artesãos Shibusen, que é controlada pelo Shinigami (deus da morte), que é colocado como o ser mais poderoso da história. De aparência descontraída e fala mais descontraída ainda, o personagem tem um passado marcado por guerras e violência em sua jornada de combater o mal. O foco da história fica nos artesãos Maka Albarn, Black Star e Death the Kid (filho do Shinigami), e suas respectivas armas (pessoas que se transformam em armas), Soul Eater Evans (Foice), Tsubaki Nakatsukasa (armas diversas) e as duas pistolas de Kid, Patti e Liz Thompson. Cada artesão tem uma relação respeitosa com sua arma, e a medida que artesão e arma são capazes de compreenderem um ao outro, suas habilidades de luta podem ser aprimoradas.


A relação artesão/arma é algo interessante a citar, especialmente porque baseado nessa relação, o poder de ambos é amplificado, exemplo disso é a Ressonância da Almas. Com nome autoexplicativo, artesão e arma colocam suas almas de forma equilibrada para então fundi-las e amplificarem seus poderes para utilizar golpes mais complexos. Um exemplo disso é o Majogari, de Maka, que transforma Soul em uma foice ainda maior e mais poderosa.


Ressonância das almas de Maka e Soul
A relação de Maka e Soul é muito bonita, talvez seja a relação artesão/arma mais pura e poderosa do anime. Soul é capaz de dar sua vida por sua artesã e vice e versa, e apesar de não terem nenhum tipo de relação amorosa no anime, há uma certa tensão sexual que os torna extremamente “shippaveis”. O lance de Soul Eater é que os personagens principais estão longe de serem os mais poderosos, e nem são do tipo que criam poderes ultra mega blaster poderosos do nada para derrotar os vilões, eles lutam com o que tem em todo o anime, e moldam seus poderes aos poucos para conseguirem sua força. Pode parecer bobo, mas as boas relações, o zelo pelas amizades e os próprios conflitos pessoais são o que dão identidade ao anime.


Gostei muito de Soul Eater, tanto pelo tom de humor, quanto pelo visual noturno e típico de “terror” da série. A animação é comum, sem efeitos muito extravagantes, a trilha sonora é excelente e dá um ar enérgico ao anime, que realça a ideia da loucura, muito citada na história. O ponto fraco do anime é a ação, não sei se isso se deve ao estilo de poder que é apresentado, mas as cenas de ação não chegam a ser emocionantes nem deixam aquela tensão em quem assiste. A ação é lenta e tem desfecho rápido, sem golpes físicos e pouco embate. E no meio disso tudo ainda há muita conversa, lições de moral e você simplesmente não sente nada da ação, é como se a luta fosse o momento preferido dos personagens para lavar roupa suja.


Soul Eater também peca por apresentar uma cidade sombria, envolta em morte e loucura, mas com pouca tristeza, ou real aparência daquele macabro que eles alegam. O humor muito intenso na história quebra, inúmeras vezes, os momentos de tensão, algo que é  legal, mas é explorado em excesso na história. Toda essa contradição torna o anime pouco verossímil, e deixa de dar seriedade em momentos chave. Contudo há três personagens secundários que tem personalidades mais complexas e que acho que fazem o anime valer a pena a.k.a. meus favoritos, especialmente por darem de fato a atmosfera obscura que ele deveria ter em sua totalidade.


Chrona: Sem sombra de dúvidas, Chrona é o meu favorito. Filho da principal vilã do anime, a bruxa Medusa Gorgon, Chrona foi alvo de severas experiências e torturas por parte da mãe durante toda a vida. Sem receber nenhum tipo de afeto nem da mãe, nem da própria arma, Chrona é medroso e tímido, e é ensinado a matar e consumir almas para que sua mãe possa transformá-lo num Kishin. Durante uma luta contra Maka, Chrona fere Soul Eater gravemente, ação que desperta o desejo de vingança de Maka, que em seu duelo final com o garoto, descobre sobre a bondade no coração medroso do adversário e se esforça para tirá-lo do caminho de escuridão.


Professor Frank Stein: É gente, tem muita figura famosa da cultura pop nesse anime, Frank Stein, ou apenas Stein, é um deles. Cientista e com desejo sanguinário desde a infância, Stein consegue controlar sua tendência de se tornar assassino através da Shibusen e em especial pelo incentivo de Spirit, arma Death Scythe e pai de Maka. Ao ter Spirit como arma, Stein se torna o artesão mais poderoso e inteligente da Shibusen. Contudo com a libertação do Kishin original, Stein é tomado pela loucura, e frequentemente é possivel participar da luta mental do professor em não ceder a loucura, algo que já é naturalmente forte nele. São momentos tensos e interessantes de alucinação, medo, gargalhadas fatais e perseguições sem nexo passadas na cabeça do professor, que dão um gosto sombrio ao anime.


Asura/Kishin Original: Asura foi o primeiro a se tornar um Kishin. É medroso, assim como Chrona, e extremamente poderoso. No passado Asura consome almas humanas para se tornar poderoso o suficiente para não se sentir ameaçado. Contudo, ele é completamente consumido pela loucura, e se torna o maior perigo com a qual a Shibusen tem que lidar, não apenas por se alimentar de almas humanas em massa, mas também por ser capaz de contaminar os outros com sua loucura. Ao ser libertado por Medusa, muitos anos após ter sido contido pelo Shinigami, Asura dissemina a sua loucura por todo o mundo e se equipara em poder ao próprio Shinigami.

Em resumo, Soul Eater é divertido, tem uma excelente trilha sonora e personagens bem relacionados, mas serve apenas como entretenimento, não abre para discussões mais densas ou polêmicas. Apesar das contradições, é um anime curto, sem fillers e que não é cansativo, cumprindo bem a ideia de passatempo com leves pitadas de suspense e figuras icônicas do cinema, literatura e mitologia.


2 comentários:

  1. Soul Eater é muito bom, até o seu final no anime, que é bem ridículo.

    Ótimo post.

    http://www.checkpoint42.com.br/

    ResponderExcluir
  2. concordo totalmente com vc.

    http://acervoscantales.blogspot.com.br/2016/02/animacao-soul-eater-2014.html

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...