Resenha: Simplesmente o Paraíso - Quarteto Smythe-Smith #1 Resenha: Uma Lição de Vida Resenha: Era uma Vez no Outono Resenha: Secrets and Lies
3

O Caminho do Poço das Lágrimas: uma jornada sobre a morte e suas sutilezas


Autor: André Vianco
Editora: Novo Século
Ano: 2008
Páginas: 200
Nota: 3,5/5
Sinopse: Jonas viajava com os filhos Ingrid e Bosco por uma estrada escura. De repente os três adormecem e, quando acordam, depois de muitos sonhos agitados, se dão conta de que estão em um vasto campo verde. O carro em que viajavam desapareceu e a única saída daquele campo é um caminho formado por pedras justapostas... é O Caminho do Poço das Lágrimas. Mas para onde os levará esse caminho? Que mistérios e perigos os esperam? 
Sabe aquele livro que não te deixa em paz até você comprá-lo? Esse foi o caso de O Caminho do Poço das Lágrimas. Li a sinopse rapidamente, mas não me chamou tanto a atenção quanto a capa e as belas ilustrações de Lese Pierre. 


A escrita do autor brasileiro é mais voltada para o terror e histórias sobrenaturais, só que seu décimo terceiro livro não possui seus característicos vampiros e sim uma família normal que passa por momentos angustiantes. Quem não conhece o estilo de Vianco pode se interessar pela história logo de cara, mas os fãs mais antigos acharam o romance estranho. Talvez pela simplicidade da escrita, talvez pelo final ou pela falta de elementos vampirescos. Particularmente, minha experiência com o livro foi interessante.

Em vários momentos, a obra nos remete a aspectos de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, Caroline, de Neil Gaiman e até a sobriedade de Tim Burton. Grande parte disso se deu através das ilustrações ora bonitinhas, ora sinistras. A diagramação do livro foi cuidadosamente trabalhada e isso fez toda a diferença no resultado final, pois em diversas situações me vi naquela cena com eles e senti todo o drama do momento.



O suspense e o terror, especialidade do escritor, dão as caras na história logo no início, quando Jonas e seus dois filhos, Ingrid e Bosco, acordam no meio do mato sem carro, telefone, comida ou água por perto. Os três viajavam para passar um momento juntos, já que o pai quase nunca está presente para as crianças. Após várias especulações e reclamações, eles decidem procurar o carro ou alguma ajuda. 

A tensão inicia no instante em que encontram um senhor idoso muito estranho e com conselhos mais estranhos ainda. Segundo ele, para chegarem ao seu destino final são e salvos, o trio deveria caminhar por um caminho de pedras, sem desviar do caminho em hipótese alguma. Já imaginam o que aconteceu em seguida, não?  
Só agora os visitantes do caminho do poço das lágrimas se davam conta de quantas formigas morriam e quão rápido é este processo.
Os cenários do livro durante essa caminhada são bem construídos e trazem consigo um aspecto dark, assim como as aparições de outros personagens ao longo da narrativa. Considero O Caminho do Poço das Lágrimas como um livro infanto-juvenil, portanto, conta com um enredo ágil e uma escrita bem simples, porém pouco confusa. Acredito que faltou um pouco mais de aprofundamento do autor em situações importantes. 

É uma obra reflexiva que aborda a morte, a vida e as consequências de nossos atos. Apesar do final não ter agradado todos - nem vale a pena mencionar, para não estragar a surpresa-, a leitura é totalmente válida, até para conhecer melhor outras vertentes da literatura nacional.

3 comentários:

  1. Oi Gabi,
    Estava aqui visitando (como uma pessoa normal) ai vejo essa capa e me apaixono, claro que não pude deixar de ler a resenha. Esta muito boa, parabéns!!
    Adoro livros de terror *--*
    Indiquei o Rascunho com Café para responder uma tag. Vai lá no LPPC para conferir!!
    Beijos ♥


    Livros Para o Chá das CincoTAG: Amo/Odeio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Ketelyn! Como disse na resenha, a capa também me atraiu. Acho que ela é feita de ímã HAHAHAHAHA Esse não é bem de terror, é mais puxado para o mistério, mas não deixa de ser bom :) Valeu pela indicação. Beijos.

      Excluir
  2. Marcio Gonçalves27 de julho de 2015 17:01

    O livro é exageradamente metaforico em boa parte dos capitulos. Eu gostei do final, pensava uma coisa e foi outra. Ainda prefiro A CASA, outra obra do autor voltada para o espiritismo.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...